CAPÃO RASO E BOTAFOGO VÃO DECIDIR O TÍTULO MÁXIMO DOS CINQUENTINHAS

Capão Raso, com seis títulos e dois vices na história da competição, vai decidir o caneco mais uma vez, tendo a final em sua casa. (Fotos: Jorge Luiz da Silva).

Encerraram sábado, as Semifinais do Campeonato Paranaense de Cinquentinhas, promoção vitoriosa da APE – Associação Paranaense do Esporte, onde após mais de 180 minutos em cada confronto da fase, o hexacampeão Capão Raso eliminou o último campeão – Flamengo, enquanto do outro lado, o Botafogo – último vice, deixou pra trás, o Zezitos, quarto colocado no ranking dos Cinquentinhas. Capão Raso e Botafogo começam a decisão no sábado, dia 28/10, em virtude do feriado dessa semana.

Como uma final – Num jogaço de bola, de alto nível técnico, com reflexos de final, o Capão Raso empatou em 1×1 com o Flamengo e ficou com a vaga na decisão, que veio somada à vitória no jogo de ida, por 2×1.

1 x 0 – O Capão saiu na frente com gol de Adoilson, logo aos 9 minutos. Ele apanhou belo cruzamento feito por Laguna, no segundo pau e acertou de bate pronto, em tiro cruzado de pé direito.

Aos 25′, já em clima tenso com cartões pra Adoilson e Laguna, o primeiro marcou de novo, mas a arbitragem pegou irregularidade e anulou o gol.

Aos 38′, o clima ficou mais nervoso, com a expulsão de João Caverna, que fez falta por trás, em Nelson, sob protestos gerais dos donos da casa, achando a decisão muito pesada.

No último lance do tempo inicial, Cuca cabeceou com muito perigo a gol, mas João Edilson, um dos melhores, senão o melhor em campo, fez grande defesa e salvou o Capão.

No intervalo, Mocelin, comandante do Capão recebeu o vermelho do árbitro, por excesso de reclamação e o jogo que já estava nervoso, aumentou de intensidade, prometendo um segundo tempo cheio de expectativa.

Simultaneamente, Thiago Lucca, relações públicas do Flamengo e o dirigente Hamilton Freire, do Capão se desentenderam elevando ainda mais o clima tenso da partida.

Quando a bolou novamente, Laguna acertou o travessão em cobrança de falta, aos 14′. Ele e Ivinho, que tinha acabado de entrar ganharam o vermelho por se estranharem num lance, a seguir.

1 x 1 – O Flamengo não desistiu mas chegou ao empate só aos 43′, com Cuca marcando de pênalti, proveniente de chute de Pedro, que Loemir tocou na bola dentro da área. Já era tarde, acrescido da pouca criatividade visitante e volume de jogo equilibrado.

Aos 49′, Edegar, do Flamengo, perdeu a última oportunidade de mexer no placar. Alessandro Braido apitou o final em seguida, com bom trabalho, bem auxiliado por Nathan Galvão e Thiago Oliveira. Na mesa da APE, o eficiente Eli Suldovski.

Capão Raso: João Edilson (a) (destaque do jogo); Marino (a), Édson Andrade, Leonardo (Loemir) e Laguna (a); Figueiredo, João Caverna (V, aos 38′ iniciais) e Roney (c); Ronaldo Lobisomem (Nei), Ezequiel e Adoilson (a) (Paulinho). Mais: Jessé; Zeca, Mocelin (v), Tiza, Vermelho, PC Jatobá, Marquinhos e Almir. Técnico: Zezão. Auxs.: Hamilton Freire e Serjão.

Flamengo: Gerson (c); Everson (Edegar) (a), Édson Risseto, Clodoaldo (a) e Zé Graciotto (a) (Davis); Álvaro, Nino (Adilson), Emerson (Ivinho) (v) e Nelson; Cuca e Omar (a) (Pedro). Mais: Décio. Técnico: Gerson D’Stella. Aux.: Fito.

Decisão: Em jogos de ida e volta. Quem somar mais pontos será o campeão. Em caso de dois empates, a decisão terá uma terceira partida com o Capão Raso jogando pelo empate, por somar maior número de pontos ao longo do campeonato.

Torcida – Público no Estádio José Carlos de Oliveira Sobrinho foi estimado em mais de trezentos torcedores, numa enquete rápida entre os “entendidos” em Capão Raso: Tiziu, Flávio, Jorge Alves, Inácio, Moacir, Maninho e Vass.

Finais – Para a decisão do caneco, espera-se público ainda maior. O primeiro jogo das finais será no sábado, dia 21/10, no Estádio Moacir Tomellin, em São José dos Pinhais, onde o Botafogo manda seus jogos, ficando a finalíssima para o Estádio José Carlos de Oliveira Sobrinho, para o sábado seguinte, dia 28/10.

Flamengo, último campeão dos Cinquentinhas, foi eliminado “em casa”, no jogo de ida, segundo a maioria de seus atletas.
Alessandro Braido ladeado pelos capitães Gerson (Fla) e Roney (CR) e assistentes Nathan Galvão e Thiago Oliveira.
Adoilson abriu o placar de cara, e saiu pro abraço…
… O primeiro a cumprimentá-lo pelo gol, foi o artilheiro do certame, Ezequiel (9).
Cuca correu bastante, mostrando ótimo preparo físico e técnico, mas marcou o gol do Fla, de pênalti. Aqui, marcado de perto por Roney.
Laguna foi bem, deu o passe pro gol de Adoilson, mas foi expulso. Grande desfalque pra decisão. Torcida, Cuca e Nelson o observam, atentamente.
Jogo teve disputa acirrada, em alto nível, como este na área do Flamengo.
João Caverna e Cuca, amigos de longa data, que a bola uniu com o passar dos anos.
Com muita simpatia, Cuca mostrou porque é ídolo nacional, dando muito autógrafo, tirando muita foto e selfies com numeroso público que invadiu o gramado do José Carlos de Oliveira Sobrinho. Parabéns Alexi Stival!
Jorge Moraes e Cuca. Aquele abnegado dirigente do Capão e torcedor também pelo sucesso do técnico do Palmeiras, último campeão nacional.
Dois grandes atletas e agora amigos que a bola uniu: Craques Adoilson e João Caverna!

Compartilhe este conteúdo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *